carnavalJá estamos na semana do Carnaval e muitos consumidores ainda tem dúvidas sobre o que comprar; A Secretaria Municipal de Defesa do Consumidor ( Procon/Campos) dá algumas dicas para os consumidores e fiscaliza o comércio local devido ao aumento de vendas de produtos relativos a essa data, como confetes, fantasias, espumas ou sprays, entre outros. A escolha de alguns artigos exige alguns cuidados especiais.

O consumidor deve procurar adquirir produtos em lojas especializadas em artigos para Carnaval, bem como realizar uma boa pesquisa de preços. A secretária executiva do Procon/Campos, Dr.ª Rosangela Tavares informa que todo produto, como é o caso das conhecidas espumas, fogos ou sprays devem estar armazenados em frasco totalmente lacrado. Ao adquirir esse tipo de produto, o consumidor deverá verificar se a válvula está funcionando de maneira correta, evitando assim futuros acidentes. “Não recomendamos o consumo de produtos comercializados por ambulantes, que embora possam apresentar um preço menor, não possuem, muitas vezes, a mesma segurança, expondo o folião/consumidor, principalmente crianças, a riscos graves” destaca Dr.ª Rosangela Tavares. A falta das informações exigidas por lei indica que o produto não está de acordo com as normas de qualidade e segurança. Isso pode ocasionar acidente como intoxicações, perfurações, alergias e asfixias, entre outros danos à saúde.

Outras dicas:

- Os tecidos que compõem as fantasias, eles devem ser laváveis, contendo as devidas instruções de uso e etiqueta indicando sua composição. Já as máscaras não podem ser fabricadas com material tóxico ou de fácil combustão.

- Se destinado para criança, o cuidado deve ser redobrado. O consumidor deverá verificar se o produto é adequado para a faixa etária a que se destina e se há riscos para sua segurança, como intoxicações, asfixias, entre outros problemas. Por isso, é importante optar por lojas especializadas em artigos para carnaval.

- Todos os produtos devem possuir o selo do Inmetro, comprovando assim que ele foi devidamente testado, aprovado e que se encontra dentro das exigências legais.
- Os consumidores não podem abrir mão da exigência da nota fiscal, tíquete do caixa, recibo ou equivalente. “É um direito do consumidor e um dever do fornecedor. A nota fiscal possibilita a troca do produto com problemas de maneira rápida e eficaz. Além disso, no caso de eventuais problemas ocasionados pelos produtos carnavalescos, principalmente aqueles que causam dano físico, a nota fiscal identifica o fornecedor, bem como o importador do produto”, ressalta Dr.ª Rosangela Tavares..

Os técnicos do Procon/Campos orientam ao consumidor que, se constatado qualquer problema, procure solucioná-lo primeiro junto ao fornecedor. Caso isso não seja possível, recorra ao Procon/Campos, que atende ao público nos altos da Rodoviária Roberto Silveira a partir das 8 horas.