O preço da cesta básica subiu em março nas 18 capitais pesquisadas pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) e, em Campos, de acordo com a pesquisa mensal da cesta básica, realizada pelo Procon, em 6 redes de supermercado do município, nos dias 27 e 28 de março.

 

Nas capitais, São Paulo é a cidade com a cesta mais cara (R$ 509,11), seguida pelo Rio de Janeiro (R$ 496,33) e Porto Alegre (R$ 479,53). Os menores valores médios foram observados em Salvador (R$ 382,35) e Aracaju (R$ 385,62). Em Campos, a média do valor dos 13 itens que compõem a cesta básica, e suas respectivas quantidades, estipuladas pelo decreto lei nº399, de 1938, totalizou R$ 393,18.

 

Em 12 meses, em comparação com o mesmo período do ano passado, a cesta no município acumulou alta de 11%. Entre os preços que mais subiram no último ano, destaque para Batata Inglesa (70%), Tomate (47%) e Feijão Preto (36%). O produto com maior variação no mês de março foi a banana prata, com 126% de variação, sendo encontrada, no local mais barato, a R$ 1,99 e, no mais caro, a R$ 4,49. O tomate, por sua vez, variou 33%, estando a R$ 5,99 o preço mais em conta e a R$ 7,99 o menos em conta. O feijão variou de R$ 4,69 a R$ 5, 49.

 

Em março, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica, na media nacional, foi de 96 horas e 42 minutos. Em Campos, 86 horas e 38 minutos. Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em março, 47,78% da remuneração para adquirir os produtos. Em Campos, esse valor foi de 43% 

 

Para mais informações: https://www.dieese.org.br/analisecestabasica/2019/201903cestabasica.pdf