Todos os meses, tendo em vista informar a sociedade e o trabalhador campista sobre o poder de compra do salário mínimo, o Procon municipal realiza a pesquisa de preço dos itens que compõem a cesta básica. A coleta tem por base o estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), que define a mesma cesta para todo o Brasil. A apuração do valor dos 13 itens que compõem a cesta básica, e suas respectivas quantidades, foi realizada em 7 redes de supermercados do município, nos dias 19 e 20 de Abril.

 

Em comparação com o mês de março, o preço médio da cesta básica teve uma redução de 4%, totalizando o valor de R$ 343, 07 no quarto mês do ano. Dez alimentos apresentaram queda em relação ao mês anterior, foram eles: Açúcar (-11%); Arroz (-3%); Feijão Preto (-6%); Óleo de Soja (-10%); Pão Frances (-7%); Margarina (-7%); Carne/Alcatra (-1%); Batata Inglesa (-4%); Tomate (-3%) e Banana Prata (-14%).

Considerando a jornada de trabalho mensal brasileira de 220h, o trabalhador campista teve que despender 79 horas para adquirir suas provisões alimentares básicas, 2 horas e 58 minutos a menos do que no mês anterior. Em relação ao salário mínimo liquido, descontado o imposto previdenciário de 8%, a cesta básica tomou 39% do valor recebido.   

 

Para efeito de comparação e tomando por base a pesquisa da cesta básica nacional do Dieese de abril de 2018 (divulgada no último dia 09 de maio), a capital com o maior valor da cesta básica foi o Rio de Janeiro (R$440,06) e a capital com o valor mais baixo foi Salvador (R$325,42).