O preço médio da gasolina para os consumidores subiu pela 13ª semana consecutiva, entre os dias 21 e 27 de janeiro, segundo dados da agencia nacional do petróleo, gás natural e biocombustíveis (ANP), chegando a R$ 4,19 no país. No estado do Rio de Janeiro, o valor médio foi cotado a R$ 4,65.

 

De acordo com o levantamento mensal realizado pela superintendência do Procon/Campos, a gasolina apresentou um aumento de, em média, R$ 0,20 em relação a dezembro de 2017 nos postos do município. A pesquisa foi realizada nos dias 25 e 26 de janeiro, em trinta (30) postos, localizados na região Central, em Guarus e em Travessão. O litro do combustível que era encontrado por R$ 4,30, no fim do ano, passou a ser comercializado pelo valor médio de R$ 4,50. No mesmo sentido, todos os demais combustíveis apresentaram elevação de preços. O Diesel, de uma média de R$ 3,40 foi para R$ 3,50. O Etanol, por sua vez, subiu de R$ 3,31 para R$ 3,43.   

 

A superintendência do Procon/Campos também informa que, no inicio o mês de fevereiro, a Petrobras anunciou mudanças na estratégia de divulgação de seus preços, previstas para entrar em vigor após o Carnaval, visando o aumento da transparência ao consumidor. A partir dessas alterações, a empresa divulgará diariamente o preço do litro da gasolina e do diesel vendidos pela companhia nas refinarias, e não mais as variações percentuais, como estava sendo feito até então.

 

A estatal, em comunicado, refuta que seja responsável pela alta de preços ao consumidor e diz que o valor cobrado pela empresa corresponde a cerca de um terço dos preços praticados nas bombas. A maior parte do valor cobrado ao consumidor final engloba principalmente tributos, federais, estaduais e municipais, além da margem de lucro para distribuidoras e vendedoras.