De acordo com o levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE), o brasileiro poderá ter uma ceia de Natal mais farta em 2017. A cesta de produtos natalinos ficou 7,68% mais barata do que em 2016. A inflação dos itens que complementam a ceia ficou abaixo da inflação média registrada pelo IPC-10/FGV, no período de janeiro a dezembro de 2017, que foi de 3,24%. Entre os itens que apresentaram maior queda de preço, estão as frutas (-13,86%) e a farinha de trigo (-12,83%). O bacalhau, um dos principais pratos do Natal, registrou deflação de 12,31% e deve ser um dos itens que mais aliviará o bolso do consumidor.

A superintendência do Procon/Campos, em sua pesquisa de natal, que abrangeu sete supermercados,  localizados em distintos pontos da  cidade, identificou amplas variações entre os itens pesquisados. O quilo da manga foi encontrado a R$ 4,70 no ponto de venda mais caro e a R$ 1, 59 no estabelecimento mais em conta, uma diferença de 196%. As aves tradicionais também apresentaram grande variação. O preço do quilo do Peru variou 75%, sendo R$ 11, 98 o menor e preço e R$ 20, 99 o maior. O valor do  quilo do Chester,  por sua vez, oscilou 69%, de R$ 12,98 até R$ 21,99.

Segundo o órgão de defesa do consumidor, o objetivo da pesquisa é informar o consumidor sobre os preços praticados no mercado, de modo a lhes permitir fazer comparações na hora que forem às compras. No entanto, alerta que o preço não é tudo. O consumidor deve estar atento a outras facilidades ofertadas, como descontos, proximidade, estacionamento, formas de pagamento e entrega em domicílio.

Acompanhe aqui as maiores variações dos preços pesquisados: http://www.procon.campos.rj.gov.br/pesquisas?download=52:pesquisa-ceia-de-natal